O atleta brasileiro costuma se superar. Apesar dos cartolas, dirigentes, técnicos, e comentaristas esportivos. Passar pela Coréia do Norte e pela Costa do Marfim, ainda não nos credenciam para nada. Portugal hoje mostrou com os 7 a zero na Coréia que o Brasil está realmente travado. Na sexta, Brasil x Portugal ou vai ser um jogo de comadres (ambos classificados) ou vamos perder o jogo. E aí, abrindo mais discussões ainda. Elas só estão começando.

A falta de visão ontem, em tirar o Kaká antes que ele fôsse expulso mostra bem como estamos de dirigentes (aquele que ficam sentados – palpitando – no banco junto ao técnico). Também quem é o chefe da delegação ? De fato é Ricardo Teixeira. O presidente do Corinthians está lá para fazer compras (compras em shoppings bem entendido).

Uma coisa super importante que (achei que) passou desapercebida ontem foi a entrevista coletiva ao final do jogo contra a Costa do Marfim, onde o Dunga claramente estava xingando uma pessoa (jornalista ?) entre uma pergunta e outra. As cameras mostraram Dunga (como um ventríloco) a meia boca, xingando algém que ele olhava fixamente… Valeria a pena algum jornalista levantar isso… No SporTV bem que tentaram falar sobre isso, mas pouco. Esperava ainda que o Fantástico, no quadro que “lê os lábios dos envolvidos” iria abordar esse fato…

Abaixo, hoje, achei essa nota no site da Globo:

Os ânimos exaltados e a violência do segundo tempo do jogo contra a Costa do Marfim contaminaram o técnico Dunga. Após a expulsão de Kaká, ele chamou o juiz de “ladrão”. Depois, nos instantes finais da partida, xingou o atacante Drogba. Em português mesmo, sem intenção de ser compreendido pelo jogador

Na entrevista coletiva após a partida, o sangue do treinador ainda estava quente. Quando acusava os jornalistas de ter cobrado a saída de Luis Fabiano do time titular, Dunga viu Alex Escobar, jornalista da TV Globo, que conversava ao telefone com um colega, balançar a cabeça. Nesse momento, o técnico da seleção brasileira interrompeu a frase para interpelar Escobar. Em seguida, ficou balbuciando palavrões que vazaram no sistema de som da sala de entrevistas. Xingamentos gratuitos que foram ouvidos por toda a imprensa internacional presente. Ao longo dos 30 minutos entre o início e o fim da coletiva, o técnico foi irônico outras vezes, sempre tendo a imprensa como alvo. Ao sair, ainda irritado, Dunga se levantou e continuou pronunciando mais ofensas e palavras impublicáveis.

Para assistir ao vídeo com a entrevista clique aqui !